Página principal

De Dicionário Livre de Geociências

Aqui você encontra informações sobre Geografia, Geologia, Geomorfologia, Oceanografia, Mineralogia, Espeleologia, Água, Água subterrânea, Roteiros geológicos, Hidrologia, Gemologia, Astronomia, Geologia Econômica e muito mais.
Veja relação dos assuntos em Editorias, ou a lista de artigos no Índice
Se preferir visite a galeria de miniaturas de fotos usadas neste Dicionário.

Bem-vindo


Lula também apoia

Este é um espaço colaborativo para o desenvolvimento do Dicionário Enciclopédico Livre de Geociências, com ênfase em exemplos brasileiros. Veja em: Ajuda como editar.

Para ler os artigos deste Dicionário não é necessário se cadastrar. No entanto, caso você queira colaborar corrijindo um artigo ou acrescentar um novo, deverá providenciar um cadastro. Esta medida se faz necessária para evitar a ação de vândalos e spammers.

Para manter a qualidade e a coerência editorial das informações, necessita-se de colaboradores capacitados que possam fazer a revisão do material publicado. Se você deseja se candidatar a editor de alguma categoria encaminhe um email de solicitação. Você pode também contribuir com sugestões de novas categorias ou críticas ao que já está publicado.
Adquirindo status de Editor responsável, você vai enriquecer o seu currículo e dar projeção a seu nome e à sua carreira, pois a Internete hoje já se transformou no maior meio de divulgação de conhecimentos técnicos e científicos e de promoção profissional.

Diferentemente de outros projetos de produção de conhecimento livre, como a Wikipedia, os quais apoiamos, este Dicionário tem editores capacitados e responsáveis que possuem autoridade editorial e científica para bloquear, modificar ou eliminar matéria publicada, segundo critérios acadêmicos. Isto garante permanentemente a qualidade de seu conteúdo. Este projeto é hoje uma das mais confiáveis fonte de conhecimento na área de Geociências, no mundo de língua portuguesa. Mesmo as centenas de copiadores e plagiadores que permanentemente copiam nosso conteúdo, sem respeitar os termos de nossa Licença, não conseguem corrigir e atualizar com a mesma rapidez como nós o fazemos. Para eles a internete é um cemitério, silencioso e imóvel. Para nós é um meio vivo, ruidoso e dinâmico.

Esta obra é de livre uso desde que sejam respeitadas as condições de uso e distribuição.

Muitas fotografias e desenhos aqui utilizados pertencem a outros autores e são regidas por diferentes licenças. Se quiser utilizá-las, leia as informações de direitos autorais na página do link por nós providenciado. Para tanto basta clicar sobre a foto e você será levado(a) a seu arquivo. O uso que você fizer destas fotografias e desenhos de terceiros é de sua inteira responsabilidade.

Respeite sempre as condições estabelecidas pela respectiva Licença e saiba que se não fizer isto estará cometendo crime contra direitos autorais, podendo sofrer as consequências judiciais que isto acarreta.

Contatos: Zimbres.jpg

Em Destaque

Logística reversa: Enquanto a logística trata do fluxo das mercadorias em direção aos consumidores finais ou intermediários, a logistica reversa trata do fluxo das mercadorias, ou de suas partes e embalagens, em direção contrária, isto é, do consumidor ao produtor ou a centros especializados nesta recepção.

As razões que levaram ao surgimento da logística reversa são:

1- Reuso do container:- este é procedimento muito antigo sendo causado pelo reuso de containers onde se embalam produtos, como é o caso de leite, cerveja, água mineral, botijões de gas, etc. O advento de processos massivos de distribuição em grande escala, e o surgimento de embalagens mais econômicas, aliados aos custos desta logística reversa, fizeram com em grande parte ela fosse eliminada, tendo persistido no caso dos containers para gases domésticos ou industriais e hospitalares, os quais possuem maiores valores agregados. Estes botijões recoletados são examinados. Os que se encontram em bom estado são reutilizados, os que apresentam desgaste ou defeitos são encaminhados para a reciclagem de metais.

2-Recoleta de produtos expostos mas não vendidos: Este é um caso típico da indústria gráfica dedicada à produção de jornais, revistas e livros. Estes são expostos nos pontos de venda num processo de consignação, onde os exemplares não vendidos são devolvidos a custo zero para o vendedor final. Neste caso a mesma logística de entrega é usada na logística reversa ou de retorno e é claro que o produto não é levado ao centro original de produção e sim a intermediários que se encarregarão da reciclagem do papel, papelão ou plástico usados em sua produção. Este tipo de logística reversa corre o sério risco de ter um custo elevado, na medida que o vendedor final, não incorrendo em nenhum risco, tende a superestimar o número de exemplares solicitados e que acabam indo para a reciclagem. Neste caso, entre os cuidados tomados pelas indústrias gráficas há a proibição de que seu material seja reciclado por agentes que não sejam os por ela expressamente determinados e auditados.

3- Devolução de produtos por parte do consumidor final. Isto acontece ou porque o comprador não gostou do produto, ou porque o produto foi entregue com defeitos ou fora das especificações. Com o crescimento da venda à distância, e principalmente com o grande aumento das vendas pela internete, este fator passou a ser importante nas considerações dos vendedores.

4-Recoleta de produtos que atingiram o seu limite de vida útil. Este é o caso de produtos elétricos, eletrônicos, baterias, lâmpadas, carros, pneus, embalagens, entre outros. Durante muito tempo, a logística reversa destes produtos, esteve entregue a grupos de recicladores, geralmente famílias de baixa renda que recolhiam o material pelas ruas ou lixos e os revendia para intermediários, que se encarregavam de levá-los aos centros de reprocessamento. No entanto este processo só é possível com materiais com maiores valores agregados, como é o caso dos metais, principalmente alumínio, cobre e ferro. Produtos com menores valores como baterias, pilhas, pneus, tubos de televisão, garrafas e containers em vidro, eram simplesmente descartados na natureza ou aterros sanitários, gerando diversos tipos de problemas ambientais. Em decorrência disto os governos, pressionados pela população e pelos grupos ambientalistas, começaram a aprovar leis, normatizando este processo e dando à cadeia produtora, responsabilidades de fazer a recoleta do material e o descarte seguro dos produtos por elas vendidos.

Brazil.png Este site apoia a reeleição de Dilma Rousseff a Presidenta do Brasil Brazil.png