Página principal

De Dicionário Livre de Geociências

Aqui você encontra informações sobre Geografia, Geologia, Geomorfologia, Oceanografia, Mineralogia, Espeleologia, Água, Água subterrânea, Roteiros geológicos, Hidrologia, Gemologia, Astronomia, Geologia Econômica e muito mais.
Veja relação dos assuntos em Editorias, ou a lista de artigos no Índice
Se preferir visite a galeria de miniaturas de fotos usadas neste Dicionário.

Bem-vindo


Este é um espaço colaborativo para o desenvolvimento do Dicionário Enciclopédico Livre de Geociências, com ênfase em exemplos brasileiros. Veja em: Ajuda como editar.

Para ler os artigos deste Dicionário não é necessário se cadastrar. No entanto, caso você queira colaborar corrijindo um artigo ou acrescentar um novo, deverá providenciar um cadastro. Esta medida se faz necessária para evitar a ação de vândalos e spammers.

Para manter a qualidade e a coerência editorial das informações, necessita-se de colaboradores capacitados que possam fazer a revisão do material publicado. Se você deseja se candidatar a editor de alguma categoria encaminhe um email de solicitação. Você pode também contribuir com sugestões de novas categorias ou críticas ao que já está publicado.
Adquirindo status de Editor responsável, você vai enriquecer o seu currículo e dar projeção a seu nome e à sua carreira, pois a Internete hoje já se transformou no maior meio de divulgação de conhecimentos técnicos e científicos e de promoção profissional.

Diferentemente de outros projetos de produção de conhecimento livre, como a Wikipedia, os quais apoiamos, este Dicionário tem editores capacitados e responsáveis que possuem autoridade editorial e científica para bloquear, modificar ou eliminar matéria publicada, segundo critérios acadêmicos. Isto garante permanentemente a qualidade de seu conteúdo. Este projeto é hoje uma das mais confiáveis fonte de conhecimento na área de Geociências, no mundo de língua portuguesa. Mesmo as centenas de copiadores e plagiadores que permanentemente copiam nosso conteúdo, sem respeitar os termos de nossa Licença, não conseguem corrigir e atualizar com a mesma rapidez como nós o fazemos. Para eles a internete é um cemitério, silencioso e imóvel. Para nós é um meio vivo, ruidoso e dinâmico.

Esta obra é de livre uso desde que sejam respeitadas as condições de uso e distribuição.

Muitas fotografias e desenhos aqui utilizados pertencem a outros autores e são regidas por diferentes licenças. Se quiser utilizá-las, leia as informações de direitos autorais na página do link por nós providenciado. Para tanto basta clicar sobre a foto e você será levado(a) a seu arquivo. O uso que você fizer destas fotografias e desenhos de terceiros é de sua inteira responsabilidade.

Respeite sempre as condições estabelecidas pela respectiva Licença e saiba que se não fizer isto estará cometendo crime contra direitos autorais, podendo sofrer as consequências judiciais que isto acarreta.

Contatos: Zimbres.jpg

Em Destaque

Ilha de calor

Fonte:EPA-US/Modificado por E.Zimbres
Perfil de uma ilha de calor
1=Área residencial suburbana, 2=Parque; 3=Área urbana residencial; 4=Centro; 5=Comercial; 6=Área suburbana residencial; 7=Rural

É o nome que se dá para o maior aquecimento climático das áreas urbanas em relação às áreas rurais vizinhas. O contraste entre a temperatura média no centro de uma grande cidade e de suas áreas rurais vizinhas varia, em média, de 4 a 6°C, podendo chegar a 11°C, levando a um grande desconforto da população durante o verão e a um grande aumento no consumo de energia elétrica usada na refrigeração dos ambientes domésticos, comerciais e industriais.

A Ilha de calor pode ocorrer durante o dia ou à noite, sendo que as diferenças de temperatura entre a área rural e urbana é sempre maior ao anoitecer de dias claros e sem brisas. Isto acontece porque a área rural se esfria mais rapidamente à noite do que as áreas urbanas, onde muito calor é retido pelo asfalto, calçadas e edifícios. Na cidade a radiação de ondas longas, isto é, o calor sensível, dissipa com muito mais dificuldade do que na zona rural. Isto se deve à geometria da cidade, que coloca obstáculos a esta dissipação, ao efeito estufa causado pela névoa que se forma sobre a cidade e pela reemissão da energia térmica absorvida pelas partículas em suspensão na atmosfera urbana. Todos estes fatores fazem com que a energia na forma de calor fique mais tempo retida sobre a cidade, aumentando o contraste de temperatura com as áreas rurais.

Por outro lado, na zona rural a existência de vegetação sobre o solo permite a que parte da umidade seja retirada pela evaporação e evapotranspiração, consumindo portanto parte da energia solar absorvida. Nos grande centros urbanos, a quase total impermeabilização do solo e a ausência de cobertura vegetal, diminui a umidade do solo e impede a evaporação, aumentando a quantidade de calor disponível para o aquecimento do ambiente.

Além destes fatores, a topografia e a localização da cidade são elementos que podem favorecer a formação de ilha de calor, na medida que locais ventilados dissipam a névoa que se forma sobre a cidade e que é um dos fatores causadores do maior aquecimento urbano.

Caso digno de nota é apresentado pela cidade de Santiago, capital do Chile. O desenvolvimento urbano nos últimos 30 anos levou à ocupação de áreas no sopé da Cordilheira dos Andes, criando uma imensa ilha de calor sobre uma área que funcionava como fonte de ar fresco que limpava a atmosfera da capital à noite. Veja mais em Ilha de calor

Ao usar conteúdos desta obra você declara que conhece e concorda com as condições de uso estabelecidas.